#24, Efêmero

* Por mais que não pareça, este post não é um publieditorial (rs).

Nessa jornada gastro-gordo-nômica, passamos por 23 restaurantes de variadíssimos preços, tipos e locais dessa cidade e de outras mundo afora. Não é uma tarefa fácil (o fato é, não tem sido uma tarefa fácil), afinal a proposta não é apenas sentar num restaurante qualquer, comer, pagar e ir embora. Cada lugar que a gente vai tem um porquê, tem uma graça. E os convidados idem. A gente pensa na distribuição dos bairros, na variedade de preços e no quão diferente um restaurante pode ser para que as pessoas possam ler and gostar das dicas.

Pois bem, aqui estamos nós em uma nova aventura. Saímos de casa, mas não fomos para um restaurante. Acabamos numa casa já conhecida com outros 2 casais, estes desconhecidos. O projeto é uma novidade dos amigos Bruno-Ana-Bruno, que pretendem abrir as portas de sua residência 1 vez por mês para receber pessoas em volta da mesa de casa, que fica no bairro das Laranjeiras.

A novidade, que começa apenas com os amigos mais próximos, pretende se expandir através do boca-a-boca. O conceito de alta gastronomia em casa já é uma realidade em alguns lugares do mundo, mas há pouco aterrizou no Brasil e começa a ganhar fama por aqui. O chef Olivier Anquier, no seu programa semanal no GNT, apresentou dois desses restaurantes no Brasil: um em SP e outro no Espírito Santo. Coube a nós, então, mostrar como os cariocas estão cozinhando dentro da própria casa. Com vocês, o Efêmero.

Confesso que não criamos expectativas com a noite. Sabíamos que a comida seria bem feita e bem cuidada, mas não esperávamos que a noite toda tivesse este tom. Logo na chegada, percebemos algumas mudanças no ambiente já conhecido por nós: a música bem pensada, que era charmosamente tocada na vitrola (teve Velvet Underground & Nico e Beach House), a luz baixa na entrada e mais clara perto da mesa, que aliás estava lindamente posta (com direito a arranjo de flores baixinho, para não atrapalhar o papo), a louça gracinha e com um toque pessoal. A casa, que para nós sempre teve a cara de casa de amigos, tinha virado um ambiente gostoso de jantar arrumado mas aconchegante.

Dito isso, vamos ao motivo de tanta arrumação? Com vocês, o menu da noite (em quatro atos, meu bem, porque nossos amigos são finos):

Começamos os trabalhos com um acepipe bem simples, porém daqueles que não se consegue parar de comer: o clássico amendoim, mas ainda com casca, e torrado com ervinhas que deram um charme ao belisquete. Junto com ele, provamos o pão feito pelo próprio chef, que estava um arraso – casca crocante e dourada com miolo fofinho e consistente, perfeito para ser petiscado com um bom azeite e flor de sal (não falei que a coisa era séria?). Isso para esperarmos a chegada do primeiro prato, e digo que valeu a pena.

1º prato :: Creme de baroa com shitake
Estava fazendo um friozinho carioca, então o creminho foi um acerto já de cara. Servido graciosamente em uma xícara, estava bem saboroso, mas o que mais chamou a atenção foi o primor com que o shitake foi cortado – parecia que o chef tinha usado uma régua para medir os pequeniníssimos quadrados. Ponto para ele, a noite começou bem.

2º prato :: Filé de cherne com creme de espinafre
Sem dúvidas, este foi o prato da noite. Estava, sem tirar nem por, muito saboroso. O ponto de cozimento do peixe, que estava úmido e fresco, o tempero simples mas presente e o creme denso de espinafre – ah, o creme de espinafre! Era o caso de pedir para repetir, mas como a gente ainda tinha mais um prato, tive que segurar a gulodice e manter o gostinho na memória.

3º prato :: Vitela em seu próprio molho, arroz vermelho com pequi e castanha de caju e salada de mostarda
Na progressão da noite, chegamos ao prato mais robusto, e também o que menos me cativou, provavelmente porque tenho uma grande queda por peixes e frutos do mar. Mas isso não fez do prato menos gostoso – o sabor curioso do pequi combinou bastante bem com o molho grossinho da carne, que cozinhou lentamente. E a saladinha deu um toque fresco à combinação de sabores diferentes.

Sobremesa :: Verrine com creme de mascarpone e doce de leite com manga
Eis que, quando achamos que as surpresas tinham acabado, nos deparamos com uma sobremesa levinha, mas muito gostosa. Um despretensioso creme de doce de leite, com pedacinhos de manga no fundo e um toque de canela que fez o Edu lamber o potinho e quase implorar por um pouco mais. Simples e delicioso.

Acho que seria redundante dizer que achamos a comida uma delícia, certo? Pois bem, digo então que a noite também foi uma delícia por conta do profissionalismo dos nossos anfitriões. Apesar de amigos de longa data, eles não se acomodaram e aproveitaram a chance para treinar um serviço de primeira – apresentando os pratos, assegurando que não faltasse nada para nós e sendo presentes somente o desejado, afinal o jantar era na casa dos amigos, mas não com os amigos. Foi impecável.

Aliás, por falar em amigos, participaram do jantar 3 casais, desconhecidos uns dos outros. Estávamos um pouco grilados com isso, sem saber bem se esse encontro – me permitam a gracinha – daria caldo. A resposta é quase matemática: a equação amigos de amigos na casa de amigos + comida delícia + prosecco de qualidade a noite inteira foi igual à uma noite super agradável.

Para quem se interessar pelo projeto, podemos adiantar que o esquema será o seguinte: os jantares acontecerão 1 vez por mês, com 4 pratos não revelados (a surpresa é a alma deste negócio) e bebida harmonizada incluída no preço fixo por pessoa. Como participamos do projeto-piloto, o valor pago era somente para cobrir os custos da noite (e por isso abriremos uma exceção e não vamos incluir o preço deste evento). Mas podemos garantir que o preço foi bastante honesto, e olha que a gente vê muito preço nestas nossas andanças! Quem sabe a sua conta também não dá direito a um chá com o chef?

***

Por mais noites, infelizmente, efêmeras, com Bruno FiuzaBruno Correia e Ana Monte.

***

Projeto Efêmero
Laranjeiras, Rio de Janeiro
Contato: brunocorreia@gmail.com 

Anúncios
Essa publicação foi escrita por eduardo blog.rhem e publicada em 01/10/2012 às 17:13. Está arquivada em $$$ médio, Internacional, Jantar, Muito amor e marcada , , , , , , , , , , , , , . Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.

2 opiniões sobre “#24, Efêmero

  1. Pingback: #25, CT Brasserie « Pique-baleia. Comigo não tá!

  2. Pingback: #28, Feijoada da Portela « Pique-baleia. Comigo não tá!

Meta a colher:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s